Redes Mágicas - Não Seja O Próximo

As multas por poluição relacionadas à descarga ilegal de água de esgoto contaminada com óleo continuam a ocorrer nos Estados Unidos. Os programas de conformidade são comuns e as multas podem ser severas, chegando a vários milhões de dólares. Neste artigo, examinamos as circunstâncias que envolvem tais alegações, medidas que podem ser tomadas para minimizar o risco de ocorrência e as implicações potenciais para a cobertura de P&I.

Descargas Ilegais

A Lei dos EUA para Prevenir a Poluição por Navios (APPS) torna crime qualquer pessoa violar conscientemente a MARPOL. A violação pode levar à imposição de grandes penalidades financeiras aos armadores, se sujeitar a um Programa de Conformidade Ambiental e os membros da tripulação podem enfrentar a prisão se forem considerados culpados de ações ilegais.

O acúmulo de água de esgoto nos espaços de máquinas dos navios em serviço é inevitável. No entanto, não há desculpa alguma para justificar a descarga ilegal de água de esgoto, a menos que com o objetivo de garantir a segurança de um navio ou salvar vidas no mar.

Infelizmente, ainda ocorrem descargas ilegais no mar e os EUA continuam sua forte posição de processar os infratores.

Dois fatores repetidos surgem ao considerar os detalhes das recentes condenações por poluição, publicadas pelo Departamento de Justiça dos EUA:

  • O equipamento de processamento de água de esgoto da embarcação, como o separador de água oleosa (OWS), foi desviado, resultando na descarga ilegal de água de esgoto não tratada;
  • Registros, como no Livro de Registro do Óleo, foram encontrados como falsificados.

Bypassando o OWS

O meio mais comum de contornar ilegalmente o OWS é pelo uso da 'rede mágica'.

As redes mágicas geralmente são comprimentos temporários e flexíveis de tubos/mangueiras e são projetados para serem removidas com facilidade e rapidez. A rede mágica pode ser um meio direto de descarregar o tanque de retenção de esgoto (ou mesmo o tanque de borra) contornando o OWS, ou pode haver uma descarga direta dos pocetos de esgoto no mar usando uma bomba de esgoto. Os criminosos mais criativos podem explorar outros sistemas de descarga, como bombas de lastro ou linhas de efluentes/águas cinzas de esgoto.

Procurando a Rede Mágica

O uso ou a presença de uma rede mágica pode não ser facilmente aparente. Um inspetor vigilante pode detectá-los, mas as linhas de desvio podem ser muito difíceis de identificar, pois podem estar posicionadas bem longe do OWS e fora da vista sob as placas de piso da praça de máquinas.

Se a rede mágica tiver sido removida antes de uma inspeção, um inspetor ou vistoriador poderá ser alertado por revestimentos de tinta danificados nos flanges. Ou, inversamente, se uma nova camada de tinta for observada em um flange, isso pode ser visto como uma tentativa de ocultar as evidências. Flanges vazias e peças em T nos tubos de descarga também podem levar as autoridades a investigar mais profundamente.

Figura: Exemplos de Redes Mágicas

Prevenindo o uso de Rede Mágica

Deve-se enfatizar primeiro que o sistema de esgoto de uma embarcação não deve ser alterado ou modificado sem a aprovação da classe e/ou da administração e deve ser totalmente documentado.

Existem várias medidas preventivas que podem ser consideradas para ajudar a interromper o uso ilegal de redes mágicas. Isso inclui a soldagem de colares nos flanges do tubo ou perfurando os flanges e instalando selos/lacres de segurança através deles.

A remoção de conexões suspeitas de peças em T ou flanges vazios no sistema de esgoto deve impedir qualquer suspeita das autoridades de inspeção. Isso é particularmente pertinente quando se olha para o arranjo da tubulação de descarga do OWS; se forem encontradas mangueiras portáteis com conexões correspondentes compatíveis com as conexões da linha de descarga da OWS, isso poderá gerar suspeitas.

Figura: Flanges lacrados

Falsificação de Registros

Além de ser uma violação do Anexo I da MARPOL, e portanto, um crime previsto na APPS dos EUA, a falsificação do Livro de Registro do Óleo é uma ofensa grave e pode ser considerada como a destruição, alteração ou falsificação de registros nas investigações Federais conforme o US Code 18 USC § 1519 e as declarações ou lançamentos geralmente conforme o 18 USC § 1001.

A Guarda Costeira dos Estados Unidos (USCG) examinará o Livro de Registro do Óleo do navio após um incidente de poluição ou uma suspeita de atividade ilegal. Eles também podem inspecionar regularmente o Livro de Registro do Óleo durante as inspeções do Estado do Porto (PSC) para determinar a conformidade e garantir que o navio não seja uma ameaça ambiental às águas dos EUA.

A veracidade e a confiabilidade do Livro de Registro do Óleo podem ser avaliadas verificando-se a continuidade nos níveis registrados do tanque de resíduos oleosos e de borra e comparando as alterações relevantes no nível do tanque com os tempos em que o OWS estava em uso. Todas as alterações nas quantidades de tanques devem ser contabilizadas e incluem processos em que os níveis caem, como a fervura ou a vaporização dos tanques de borra por aquecimento.

Os registros de alarme da praça de máquinas podem ser verificados quanto a alarmes de alto nível e o Livro de Registro do Óleo, em seguida, revisado para uma entrada correlacionada à operação de bombeamento. Uma verificação adicional que pode ser feita por uma parte revisora ​​é fazer uma referência cruzada dos níveis atuais do tanque, conforme registrados no Livro de Registro do Óleo, com os níveis reais no momento da inspeção.

É fácil cometer um erro ao escriturar o Livro de Registro do Óleo, e as autoridades do Estado do Porto podem interpretar erros genuínos como algo mais sinistro. Como tal, a importância deste documento não pode ser exagerada.

A Circular da IMO MEPC.1 / Circ.736 / Rev.2 Diretrizes para o Registro das Operações no Livro de Registro do Óleo Parte I foi publicada em outubro de 2011 e fornece orientações estritas sobre como o Livro de Registro do Óleo deve ser preenchido.

Programas de Conformidade Ambiental

Como parte da delação premiada e dos termos da liberdade condicional, um Plano de Conformidade Ambiental (ECP) ou um Plano de Conformidade Ambiental Aprimorado (EECP) é regularmente aplicado ao armador pelas autoridades dos Estados Unidos e geralmente é um acréscimo às sanções financeiras aplicadas.

O ECP aplica-se a toda a empresa, tanto às tripulações dos navios quanto aos funcionários de terra. O não cumprimento do ECP ou permitir o acesso nos termos do ECP pode resultar na modificação dos termos de liberdade condicional ou até mesmo impedir que as embarcações de uma empresa possam fazer escala nos portos dos EUA.

Um dos principais objetivos do ECP é a introdução de um Sistema de Gerenciamento Ambiental (EMS), que deve ser aprovado pelas autoridades dos EUA. Isso incluirá, entre outras coisas, a política ambiental da empresa, objetivos e metas, estrutura e responsabilidades, controles operacionais, controles documentais, procedimentos de emergência e treinamento.

Medidas adicionais em relação aos sistemas e equipamentos a bordo que estão acima e além da legislação internacional são frequentemente impostas. Isso pode incluir a implementação de um sistema de tags em flanges e válvulas, controles invioláveis ​​no medidor de conteúdo de óleo do OWS ou a remoção de flanges vazios em tubulações que possam apresentar uma oportunidade para conectar redes mágicas.

Os Planos de Conformidade Ambiental incorrem em custos extras, além de aumentar os encargos administrativos e o escopo dos programas de manutenção para os gerentes e tripulantes de navios. Um nível alto de auditoria é exigido pelo ECP, o que requer a nomeação de um grupo de auditoria externa e um auditor independente. É comum que o armador designe um Gerente de Conformidade Corporativa (CCM) e um Diretor de Conformidade Operacional (OCO) para gerenciar os requisitos do ECP e se reportar às autoridades dos EUA.

Gestão Ambiental

Vários métodos podem ser empregados para evitar descargas ilegais e muitos deles dizem respeito a barreiras e salvaguardas para impedir fisicamente que tais atividades sejam realizadas.

Da mesma forma, a verificação e auditoria regulares do Livro de Registro do Óleo devem identificar erros na manutenção de registros.

Naturalmente, são de importância vital, mas outro aspecto fundamental é o relacionamento entre o navio e o pessoal de terra. Uma cultura de conformidade deve ser desenvolvida e mantida para que a tripulação não se sinta pressionada a realizar atos ilícitos por qualquer motivo.

A tripulação do navio deve acreditar que o gerenciamento de terra está do lado deles e que todas as comunicações são inequívocas. A cultura dominante em todos os níveis da organização deve ser que a legislação ambiental não deve ser violada.

Nos últimos anos, houve o advento do "denunciante" devido ao alto nível de recompensas oferecidas, que nos Estados Unidos pode ser de até 50% da penalidade imposta.

Uma cultura e um mecanismo formal devem existir, quando um membro da tripulação em questão puder relatar diretamente a um membro sênior da administração de terra quaisquer preocupações relacionadas à poluição em potencial, sem medo de represálias.

As diretrizes da INTERTANKO sobre políticas de denúncia são uma fonte útil de informações adicionais.

Muito simplesmente, a maneira mais fácil de ajudar a impedir descargas ilegais é simplesmente eliminar a necessidade de fazê-las.

Informações adicionais sobre esse assunto podem ser encontradas no resumo sobre Prevenção de Perdas da North na Gestão da Água de Esgoto e Poluição, que pode ser baixado em https://www.nepia.com/publications/bilge-water-management-pollution/ (apenas para assinantes).

O Impacto na Cobertura P&I

Conforme detalhado na Circular da North de 2005 “International Convention for the Prevention of Pollution from Ships 73/78”, os Clubes de P&I no Grupo Internacional não toleram violações das regras da MARPOL. A Circular pode ser visualizada no website do clube em: clique aqui.

Exceto nos casos de descarga puramente acidental, a cobertura de P&I de multas resultantes de violações dos regulamentos da MARPOL está disponível apenas de forma discricionária e o Membro deverá satisfazer os Diretores de que tomaram medidas razoáveis ​​para evitar ou impedir o crime.

No caso de uma alegação surgir nos EUA, uma investigação criminal pode ser baseada em uma violação das leis nacionais de poluição dos EUA, registros falsificados, declarações falsas feitas à USCG, obstrução da justiça (destruição de provas) e conspiração. Embora essas violações possam levar a acusações civis ou criminais e multas nos códigos pertinentes dos EUA, elas não fornecem às autoridades o direito de obter segurança financeira por multas ou penalidades.

Como resultado, as autoridades americanas passaram a aplicar a APPS para obter segurança. De acordo com a APPS, a USCG tem ampla autoridade e discrição para impor condições financeiras e não financeiras para a liberação de um navio detido suspeito de ter violado a MARPOL. Embora a APPS preveja que as autoridades dos EUA possam encaminhar o assunto ao estado de bandeira em questão ou lidar com ele, se escolherem o último, os níveis de multas e, portanto, a segurança solicitada podem ser consideráveis.

No que diz respeito à cobertura de P&I, enquanto os procedimentos estão em andamento, a North não pode fornecer segurança (exceto em troca de contra-segurança na forma de dinheiro ou por garantia bancária) para quaisquer dessas supostas ofensas e se o Clube for solicitado a ajudar com o financiamento dos custos incorridos na defesa de processos criminais ou civis, será necessária segurança adicional.

Lista de Violações por Poluição de 2011-2015 (adaptada da informação do DOJ dos EUA)

Navio Violação Multas Ação Contra
a Tripulação
Programa de
Conformidade
Ambiental (ECP)
9.000 AB
Frigorífico
Despejo ilegal de óleo hidráulico e falha em manter 
um Livro de Registro do Óleo preciso
US$0,75m IMTO sentenciado a 3
meses na prisão
3 anos de ECP
obrigatório
40.000 AB
Roll-on-Roll-off
Descarga direta ilegal de água de esgoto oleosa em 2015
usando bomba portátil e falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$0,8m

CHEMAQ sentenciado a
5 meses de confinamento
em casa e 5 anos de
liberdade condicional

ECP obrigatório
24.000 AB
Porta-Contêineres
Descarga direta ilegal de água de esgoto oleosa em 2015 
e falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$0,75m Não especificada ECP obrigatório
13.000 AB
Gaseiro
Declarou-se culpado em 2014 por três violações, incluindo
descarga através de uma rede mágica na válvula de alívio
da caldeira e falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$2,75m CHEMAQ e SUBCHEMAQ
sentenciados
(detalhes desconhecidos)
Sem detalhes
14.000 AB
Navio-Sonda
e MODU
Declarou-se culpado em 2014 por diversas violações da
APPS, incluindo modificações não autorizadas nos sistemas
do OWS, descargas diretas ilegais e falsificação de registros
US$12,2m Não especificada 4 anos de ECP
obrigatório
60.000 AB
Roll-on-Roll-off
Em 2014, diversos casos de uso de redes mágicas e
falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$1,8m CHEMAQ sentenciado
a 8 meses de prisão
3 anos de ECP
obrigatório
27.000 AB
Químico
Descargas ilegais de resíduos oleosos através do sistema
de esgoto e falsificação do Livro de Registro do Óleo
Nenhuma CHEMAQ sentenciado a
dois anos de liberdade
condicional e multa de
US$ 15.000
Nenhuma
39.000 AB
Graneleiro
Uso ilegal de rede mágica e falsificação do 
Livro de Registro do Óleo em 2013
US$0,8m CHEMAQ sentenciado
(detalhes desconhecidos)
ECP obrigatório
26.000 AB
Químico
Uso ilegal de rede mágica e falsificação do 
Livro de Registro do Óleo em 2012
US$0,9m CHEMAQ sentenciado
a 3 meses de prisão
ECP obrigatório
40.000 AB
Graneleiro
Descargas ilegais e falsificação dos registros em 2012 US$1,1m CHEMAQ e SUBCHEMAQ
sentenciados a 1 ano
de liberdade condicional
3,5 anos de ECP
obrigatório
6.000 AB
Transportador
de Gado
Sistema de redes modificado para permitir a descarga ilegal
entre 2011 e 2013. Registros falsificados
US$0,5m Não especificada Navios da companhia
banidos dos EUA
por 2 anos
26.000 AB
Químico,
85.000 AB
Petroleiro,
36.000 AB
Porta-Contêineres e
42.000 AB
Químico
A empresa se declarou culpada em 2013 por várias
violações envolvendo quatro de seus navios
gerenciados - incluindo o bypass intencional do OWS
e a falsificação dos Livros de Registro do Óleo
US$10,4m Não especificada 4 anos de ECP
obrigatório
51.000 AB
Graneleiro
Uso de rede mágica em 2012 e falsificação do 
Livro de Registro do Óleo
US$1,3m CHEMAQ preso
por 1 mês
ECP obrigatório
37.000 AB
Graneleiro
Sentenciado em março de 2012 pela descarga de água oleosa
de esgoto diretamente pelo costado, pelo bypass do OWS e
falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$2,0m CMTE e CHEMAQ
sentenciados
(detalhes desconhecidos)
ECP obrigatório
28.000 AB
Porta-Contêineres
Sentenciado em fevereiro de 2012 por burlar o monitor do
conteúdo de óleo do OWS e falsificar o Livro de Registro
do Óleo
US$1,5m Não especificada ECP obrigatório
33.000 AB
Graneleiro
Sentenciado em janeiro de 2012 pelo bypass do OWS,
descarte de trapos oleosos e falsificação do Livro de
Registro do Óleo
US$1,2m CHEMAQ 3 meses
na prisão
ECP obrigatório
13.000 AB
Porta-Contêineres
OWS sem funcionar por diversos meses em 2012
e Livro de Registro do Óleo falsificado
US$2,2m SUBCHEMAQ em
liberdade condicional
por 36 meses e
deportado
3 anos de ECP
obrigatório
4.000 AB
Químico
Sentenciado em janeiro de 2012 pelo bypass do OWS
usando rede mágica e falsificação do Livro de Registro
do Óleo
US$1,15m CHEMAQ e SUBCHEMAQ
sentenciados a 3 anos
de liberdade condicional
ECP obrigatório
26.000 AB
Graneleiro
Sentenciado em novembro de 2011 por burlar o monitor
de conteúdo de óleo do OWS e falsificação do Livro
de Registro do Óleo
US$0,75m Nenhuma ação
contra a
tripulação
ECP obrigatório
35.000 AB
Graneleiro
Sentenciado em julho de 2011 pelo bombeio de borra
diretamente para o mar, pelo bypass do OWS e
falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$1m Não especificada Navios da empresa
banidos dos EUA
por 5 anos
40,000 AB
Graneleiro
Sentenciado em junho de 2011pelo bypass do OWS com 
rede mágica e falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$2,4m CHEMAQ sentenciado
a 6 meses na prisão
3 anos de ECP
obrigatório
22.000 AB
Graneleiro
Sentenciado em novembro de 2011 pelo bypass do OWS, com
rede mágica e descarga através da linha de alívio da
caldeira e falsificação do Livro de Registro do Óleo
US$0,65m CHEMAQ sentenciado
a 3 meses de
serviços comunitários
ECP obrigatório
40.000 AB 
Graneleiro
Descargas ilegais em 2011 através de rede mágica do
sistema de esgoto para o sistema de lastro e falsificação
dos registros
US$1,2m Não especificada ECP obrigatório
29.000 AB
Graneleiro
Em 2010 descarregou resíduo oleoso através da bomba
de incêndio e falsificou o Livro de Registro do Óleo
US$0,75m Não especificada Navios da empresa
banidos dos EUA
por 5 anos
   TOTAL  US$48,85m    

Fonte: Revista Signals, Edição 101: Outubro de 2015