Como realizar lançamentos corretos no LRO?

Pergunte a qualquer oficial de um navio petroleiro qual é o seu pesadelo nº 1. Ele provavelmente dirá que é para estar no centro de um inquérito sobre poluição por óleo.

Isso é um pesadelo: estar nessa posição, enfrentando inquérito sobre poluição por óleo.

E sim, faz sentido, pois as consequências de tal investigação podem ser graves.

Mas você sabe o que !! Se você não for o culpado, as chances são de que você escapará de graça.

Mas há algo de que você nunca pode escapar de forma gratuita.

E isso são os lançamentos incorretos do livro de registro do óleo.

A gravidade das consequências pode variar. Por exemplo, se houver uma tentativa deliberada de fazer um lançamento errado no livro de registro do óleo, a consequência seria severa.

E se houver algum erro de digitação ou cálculo, as consequências podem variar até algumas multas financeiras.

Mas lançamentos errados no livro de registro do óleo nunca serão liberados.

E há uma razão para isso. Se você fez alguns lançamentos errados no livro de registro do óleo, só você é o culpado. Ninguém o forçou a fazer tal lançamento.

A poluição por óleo pode ser um incidente, mas não os lançamentos errados no livro de registro de óleo.

Isso torna muito importante fazer lançamentos absolutamente corretos no livro de registro de óleo.

Mas para fazer isso, há duas coisas que você deve possuir.

  • Seriedade em fazer esses lançamentos;
  • Conhecimento de como fazer esses lançamentos.

Na maioria das vezes, você pode compreender a seriedade simplesmente dando uma olhada em algumas páginas do livro de registro do óleo.

Se a caligrafia estiver ruim e as letras estiverem espalhadas, a seriedade não será mostrada ao fazer esses lançamentos.

E acredite em nós quando dizemos que uma caligrafia ruim não tem nada a ver com isso. Temos visto oficiais com uma caligrafia ruim fazendo as entradas em letras maiúsculas para compensar tal caligrafia ruim.

Mas mesmo que você leve isso muito a sério, ainda precisa saber “como fazer os lançamentos do livro de registro do óleo corretamente”.

Há um guia Intertanko sobre isso, mas também há muitas áreas cinzentas que não foram respondidas neste guia.

Primeiro, o guia não é completo e, segundo, não há explicação para muitas dúvidas que os aquaviários geralmente têm ao preencher o livro de registro do óleo.

Neste artigo, tentaremos preencher todas essas lacunas, passando por todas as situações práticas que enfrentamos durante as operações de carga de petroleiros.

Então vamos começar.

1. Carregamento da carga

A entrada mais comum no livro de registro do óleo é o carregamento de carga. As colunas que temos que preencher são estas:

A. Carregamento de carga de óleo

  1. Local do carregamento.
  2. Tipo de óleo carregado e identificação do(s) tanque(s).
  3. Total da quantidade de óleo carregado (declarar a quantidade adicionada, em m3 a 15ºC e o conteúdo total do(s) tanque(s) em m3).

Não deve haver confusão alguma para A-1: Local de carregamento. Mas ao escrever o local de carregamento, não só escreva o porto, mas também o número do cais ou a localização precisa dentro do porto.

A-2: O tipo de óleo carregado e a identidade do(s) tanque(s) também não é confuso.

A-3: Quantidade total de óleo carregado (declarar a quantidade adicionada em m3 a 15ºC e o conteúdo total do(s) tanque (s) em m3).

É aqui que existe toda a confusão e lançamentos errados.

O primeiro ponto a considerar é que todas as quantidades em A-3 precisam estar em m3 a 15ºC.

Embora não concordemos com isso. Por exemplo, leia o que a MARPOL exige para que A-3 seja escrito como.

A3: Quantidade total de óleo carregado (declarar a quantidade adicionada em m3 a 15ºC e o conteúdo total do(s) tanque(s) em m3).

Não requer que o conteúdo total do tanque esteja a 15ºC. No livro Intertanko, no exemplo de “carregamento de recepção de entrada”, dá o conteúdo total a 15ºC.

Para evitar mal-entendidos, recomendamos escrever ambas as quantidades a 15ºC.

Agora, vamos considerar algumas das condições.

Condição 1: Carregando um tipo em um porto

Porto de carregamento: Rastanura, Berço nº 3

Carga: Gasolina

Carregada nos tanques: 1W, 2W, 3W, 4W, 5W, 6W

Quantidade carregada: 52.000 m3 a 15ºC

O lançamento da carga deveria ser semelhante a:

Mas existem alguns erros que cometemos com frequência.

Por exemplo, você pode identificar o erro neste lançamento (lançamento real do registro de carga de um navio) !!

Primeiro, apenas a quantidade total é mencionada e não a quantidade carregada e a quantidade total no tanque.

Em segundo lugar, a própria entrada é ambígua. Ninguém pode dizer se a "Quantidade total" mencionada é a Quantidade carregada "ou" conteúdo total do tanque.

Mas há uma outra versão que às vezes vemos. Registrar as duas quantidades como “Volume bruto” e “Volume líquido”. Veja abaixo o exemplo real.

Agora, existem vários erros no registro das quantidades e, portanto, muitas perguntas não respondidas.

  • Volume líquido a que temperatura?
  • Volume líquido e volumes brutos: carga carregada ou carga total?

Condição 2: Carregando dois tipos de carga em um porto

As diretrizes para preencher linhas individuais como A-1, A-2, A-3 permanecem as mesmas. Mas mesmo quando todos os dados estão disponíveis, ainda há um erro que vemos com muita frequência.

Mas antes de chegarmos a isso, tomemos este exemplo:

Porto de carregamento: Rastanura, Berço nº 3

Carga: Gasolina

Carregada nos tanques: 1W, 3W, 5W, 6W

Quantidade carregada: 35.000 m3 a 15ºC

Carga: Óleo Diesel

Carregada nos tanques: 2W, 4W

Quantidade carregada: 10.000 m3 a 15ºC

A entrada ideal no livro de registro de carga será assim:

A ideia é fazer lançamentos diferentes para cada tipo, mesmo que a carga tenha sido embarcada no mesmo berço do mesmo porto.

Temos visto que às vezes tentamos fazer uma entrada comum para todos os tipos carregados no mesmo porto. O resultado não é tão bonito.

Por exemplo, veja a entrada real abaixo para carregar dois tipos:

Ele contém informações sobre a quantidade total carregada, mas não o conteúdo total dos tanques.

É realmente uma má ideia tentar mesclar os dois lançamentos em um.

Uma grande confusão neste tipo de lançamento é o “conteúdo total dos tanques”. É o conteúdo total dos tanques que estão sendo carregados para esta carga ou o conteúdo total de todos os tanques do navio?

Você pode não encontrar este esclarecimento em nenhuma das fontes confiáveis. Mas se formos pelo raciocínio lógico, precisa ser o "conteúdo total dos tanques carregados em tanques de carga desse lançamento em particular".

Condição 3: Carregamento em mais de um porto

O lançamento para carregar em mais de um porto não é diferente do que já discutimos na condição 2.

Vamos dar um exemplo:

Porto de carregamento: Rastanura, Berço nº 3

Data de carregamento: 16 de março de 2017

Carga: Gasolina

Carregada nos tanques: 1W, 3W, 5W, 6W

Quantidade carregada: 35.000 m3 a 15ºC

Porto de carregamento: Jubail, Berço nº 42

Data de carregamento: 18 de março de 2017

Carga: Óleo Diesel

Carregada nos tanques: 2W, 4W

Quantidade carregada: 10.000 m3 a 15ºC

O lançamento no livro de registro da carga deve ser semelhante a esse:

Como foi esclarecido anteriormente, o conteúdo total dos tanques deve ser a quantidade total nos tanques mencionados nesse lançamento específico.

Outras condições no Carregamento da carga

Assim que tivermos clareza sobre as três primeiras condições que discutimos, podemos escolher qualquer outra combinação.

Por exemplo, uma vez que tudo esteja esclarecido, não é difícil entender e fazer lançamentos corretos para "carregar vários tipos em vários portos".

2. Descarregando a carga

Esse é o lançamento mais fácil no livro de registro do óleo. As colunas que precisam ser inseridas são:

Vamos ver como realmente precisamos preencher esses dados.

Condição 4: Descarregando toda a carga em um porto de descarga

Aqui está um exemplo:

Porto de descarga: Mumbai, Berço nº 9

Descarregada dos tanques: 1W, 2W, 3W, 4W, 5W, 6W

Quantidade descarregada: Toda a carga

O lançamento ideal deve ser semelhante a esse:

Fácil e simples, correto ?

Para a linha C-8, vemos que às vezes escrevemos como "Sim, todos os tanques vazios”.

Nada de errado nisso, mas por quê não adicionar palavras extras ? Recomendamos manter as coisas simples. Apenas um "Sim" é perfeito.

Condição 5: Descarregando em portos de descarga Múltiplos

Tomemos também um exemplo para essa situação:

Porto de descarga: Mumbai, Berço nº 6

Descarregada dos tanques: 1W, 4W, 6W

Quantidade descarregada: Toda a carga destes tanques

E

Porto de descarga: Kochi, Berço nº 12

Descarregada dos tanques: 2W, 3W,  5W

Quantidade descarregada: Toda a carga destes tanques

Novamente, isso não é tão complicado. A esta altura você já sabe como seria esse lançamento ?

Condição 6: Descarregando parte da carga em Múltiplos portos

Isso é um pouco mais complicado do que descarregar a carga esvaziando os tanques.

Tanques carregados: 1W, 2W, 3W, 5W

Primeiro tanque a ser descarregado: Mumbai, Berço nº 6

Tanques descarregados: 1W, 3W, 5W

Após a descarga: 1W, 5W foram esvaziados e o 3W foi parcialmente descarregado. Um total de 4.000 m3  foi o que restou no 3W após a descarga.

O lançamento para esta operação será o seguinte:

Agora, após Mumbai, o navio foi para Kochi para descarregar a carga restante.

Segundo porto de descarga: Kochi

Tanques descarregados: 3W, 2W

Após a descarga: 2W, 3W foram esvaziados

Para o segundo porto de descarga, o lançamento deve se parecer com algo assim:

3. Limpeza do tanque de carga

Esta é outra operação comum, especialmente em navios-tanque de produtos. Para mudanças de tipos, às vezes precisamos limpar os tanques de carga.

Os lançamentos do livro de registro do óleo necessários para esta operação são:

G. Limpeza dos tanques de carga

27. Identificação do(s) tanque(s) limpo(s).

28. Porto ou posição do Navio.

29. Duração da limpeza.

30. Método de limpeza.

31. As lavagens do tanque foram transferidas para:

.1 instalações de recebimento (declarar o porto e a quantidade, em m3); e

.2 tanque(s) de borra ou tanque(s) de carga designado como tanque(s) de borra (identificar o(s) tanque(s); declarar a quantidade transferida e a quantidade total, em m3).

Vejamos um exemplo de como cada linha deve ser preenchida no livro de registro de carga.

Existem algumas coisas que devemos esclarecer neste lançamento.

A data de lançamento é a data em que a operação de limpeza dos tanques de carga mencionados foi concluída e não a data de início da operação de limpeza dos tanques.

A posição do navio inserida no G-28 é a posição onde a operação de limpeza do tanque foi iniciada.

Alguns oficiais, ao fazer este lançamento, inserem tanto a posição de início da limpeza do tanque como a posição de conclusão da limpeza do tanque. Nada de errado nisso, mas é novamente uma informação extra indesejada.

O motivo pelo qual ninguém se interessa tanto por posições e hora de início e de parada é que todas as lavagens devem estar a bordo.

Outra coisa é a duração inserida no G-29 que é a duração total da limpeza dos referidos tanques.

É uma boa prática fazer lançamentos diferentes se a limpeza do tanque foi interrompida por um período considerável.

Por exemplo, digamos que em um dia os tanques no 1W, 2W, 3W foram lavados e na manhã seguinte 4W e 5W foram lavados.

Neste caso, devemos fazer o lançamento da lavagem dos 1W, 2W, 3W para um dia e depois no dia seguinte para os 4W e 5W.

Se você ainda deseja fazer apenas um lançamento, a duração da limpeza deve ser calculada como a duração total da operação das máquinas de limpeza de tanques.

A precisão desta informação deve ser suportada pelo registro no diário do porto.

4. Descarte da água do tanque de borra no mar

Quando tivermos feito a limpeza dos tanques, podemos descarregar as lavagens dos tanques coletadas nos tanques de borra (slop) através do ODME.

Para poder cumprir essa condição, é necessário cumprir certas condições do Anexo I da Marpol.

Mas quando essas lavagens forem descarregadas através do ODME, precisamos fazer um lançamento desse fato no livro de registro do óleo.

Os itens a serem registrados neste lançamento são:

I. Descarga da água dos tanques de borra no mar

41. Identificação dos tanques de borra.

42. Tempo de sedimentação da última entrada de resíduos, ou

43. Tempo de sedimentação da última descarga.

44. Hora e posição do navio no início da descarga.

45. Ulagem do conteúdo total no início da descarga.

46. Ulagem da interface óleo-água no início da descarga.

47. Quantidade a granel descarregada, em m3 e a taxa da descarga, em m3/hora.

48. Quantidade final descarregada, em m3 e a taxa da descarga, em m3/hora.

49. Hora e posição do navio ao término da descarga.

50. O sistema de monitoramento e controle de descarga estava em operação durante a descarga?

51. Ulagem da interface óleo-água ao término da descarga, em metros.

52. Velocidade(s) do navio durante a descarga.

53. Foi mantida uma verificação regular do efluente na superfície da água no local da descarga?

54. Confirmar se as válvulas aplicáveis nas redes do sistema do navio foram fechadas ao término da descarga dos tanques de borra do navio.

Vamos ver como precisamos fazer o lançamento para despejo de água no mar.

Vamos ver como precisamos fazer um lançamento para despejo de água no mar.

Nisto, a maioria das seções são bastante diretas e não precisam de nenhuma explicação. Mas algumas seções podem ser confusas, então aqui vem o esclarecimento.

A primeira coisa que menos necessária é dizer que durante o tempo entre I-44 e I-49, o navio deve estar em conformidade com os critérios de descarga de acordo com o Anexo I. da MARPOL

Para os lançamentos, os horários mencionados em I-44 e I-49 devem ser o horário local do navio. Isso ocorre simplesmente porque estamos escrevendo a data de acordo com a hora do navio, então a hora também deve corresponder a isso.

Se você está se perguntando, se houver uma mudança de data entre o horário de acordo com I-44 e I-49. Isso nunca pode acontecer porque não devemos despejar água no mar durante as horas de escuridão.

Às vezes, há uma grande confusão sobre I-47 e I-48.

I-47: Quantidade a granel descarregada em m3 e taxa de descarga em m3/h.

I-48: Quantidade final descarregada em m3 e taxa de descarga em m3/h.

Esse conceito pressupõe que o despejo de água no mar será em duas etapas.

Na primeira fase, a água é bombeada para fora através do ODME (Oil Discharge Monitoring Equipment) com maior vazão.

Conforme a interface óleo/água se aproxima, a taxa de descarga é reduzida para evitar a agitação da interface óleo/água.

De acordo com a I-47, precisamos registrar a quantidade descarregada e a taxa alcançada durante o primeiro estágio.

Sob I-48, precisamos registrar a quantidade descarregada e a taxa alcançada durante o segundo estágio.

Pode haver casos em que pararíamos o ODME e, portanto, descarregaríamos a água manualmente sem reduzir a taxa de descarga.

Neste caso, podemos escrever "NA" no item I-48.

5. Lançamento faltante

E se você deixou de realizar um lançamento? Digamos que você tenha deixado de lançar a carga descarregada em Kochi em 16 de março de 2017.

Nesse caso, você pode usar o código O para fazer esse lançamento.

Então, como fazemos isso? Dê uma olhada neste lançamento.

Neste lançamento, a data correspondente ao Código “O” é a data em que a operação foi realizada. A data correspondente ao lançamento não realizado (neste caso o código C) é a data em que o lançamento agora está sendo feito no livro de registro de óleo.

Você deve ter notado que há duas assinaturas no final deste lançamento.

A primeira assinatura é para a pessoa que faz o lançamento “O”. E a segunda assinatura é para a pessoa que está fazendo o lançamento faltante (C neste caso).

A pessoa que faz o lançamento “O” pode ser o Comandante. Também pode ser o Imediato substituto que detectou o lançamento faltante.

O mesmo Imediato não deve fazer os dois lançamentos, simplesmente para verificar os lançamentos de natureza excepcional.

Ter uma maneira de registrar um lançamento faltante não dá a permissão para frequentemente deixar de realizar lançamentos.

Conclusão

O livro de registro do óleo é um dos documentos mais importantes que o Chefe de Máquinas deve manter.

Lançamentos falsos, faltantes ou incorretos são consideradas uma ofensa grave em todo o mundo. Isso torna muito importante ter o conhecimento de como fazer os lançamentos corretos do livro de registro do óleo.

Source: Capt Rajeev Jassal