Internet a Bordo: Uma Perspectiva do Aquaviário

Qualquer pessoa que navegou em seu primeiro navio depois de 31/dez/1999 está propensa a ouvir uma piada comum - e muitas vezes desagradável dos Comandantes/Chefes de Máquinas mais antigos - "Quando eu estava de uniforme, você ainda estava na forma líquida". O início de sua carreira no novo milênio tem suas próprias vantagens e desvantagens. Não se pode tirar o fato de que a navegação marítima era um jogo totalmente diferente 'antigamente'. Enquanto era preciso suportar mais dificuldades e períodos mais longos, a vida era um pouco melhor quando se tratava de estadias portuárias, papelada, pressões comerciais, densidade de tráfego etc.

No início dos anos 2000, as coisas não eram muito diferentes de hoje. O código ISM já estava em vigor, os sistemas SMS estavam sendo seguidos e havia muito mais ênfase na segurança. Os cartões telefônicos da tripulação eram facilmente disponíveis e acessíveis. No entanto, um elemento crucial no que diz respeito ao bem-estar da tripulação ainda estava faltando - estar em contato regular com a família e estar sincronizado com a vida em terra. Chegamos à última parte da década passada e as coisas começaram a mudar. Sem dúvida, o lançamento da Internet a bordo dos navios para uso da tripulação foi o maior divisor de águas a bordo.

No início dos anos 2000, eu fazia parte de um lote de 25 cadetes recém-recrutados pela Maersk. Lembro-me de uma ocasião em que quatro de nós fomos convidados a participar do Seminário de Diretores da empresa. Em uma discussão aberta sobre o bem-estar a bordo, o Gerente Geral perguntou a todos os participantes que mudanças/melhorias eles gostariam de ver a bordo. Um dos mais aventureiros entre nós quatro levantou a mão para falar. Ele então disse que seria ótimo se houvesse internet a bordo. O auditório inteiro caiu na gargalhada, alguns com a audácia de pensamentos tão desejosos, enquanto outros, na maioria velhos, que um cadete estava FALANDO. (No passado, todos nós não vimos comandantes e diretores jogando bola com cadetes dizendo "Os cadetes são feitos para serem vistos, não ouvidos"!)

Exatamente meia década depois, esse meu companheiro de lote de “pensador de desejos” riu pela última vez. Em uma ação bem divulgada e bem-vinda, a gerência da Maersk Tankers decidiu implantar instalações da Internet em todos os navios. E o resto, como eles falam, é história. A vida a bordo mudou dramaticamente. Já não tivemos que esperar até chegar ao próximo porto para saber quem havia vencido a final de Wimbledon ou vencido o teste em Lords. As pessoas também não tiveram que orar pela licença de terra para poderem desembarcar e visitar um cibercafé para ver fotos e atualizações de seus entes queridos. As pessoas também não precisavam abrir uma nova conta de e-mail cada vez que voltavam para casa simplesmente porque a anterior havia expirado devido à inatividade.

Já se passaram vários anos desde que tivemos acesso à Internet a bordo de nossos navios (surpreendentemente ainda muitas empresas não têm essa instalação). Aqui está uma lista dos prós e contras dos Internet a bordo dos navios.

OS PRÓS

1. Manter-se a par dos assuntos atuais e eventos esportivos. Longe vão os dias em que era preciso esperar os agentes receberem os jornais dos últimos meses. Isso foi seguido pela difícil tarefa de esperar que o Comandante e o Chefe de Máquinas lessem e depois passassem para a hierarquia inferior. Os marítimos atuais são tão atualizados nos assuntos atuais quanto os estudantes de MBA em escolas de negócios sofisticadas.

2. Gerenciar finanças comprando/vendendo fundos mútuos, enviando um e-mail para seus Gerentes de Portfólio sobre as ações a serem tomadas, acompanhando os mercados acionários etc. (As velocidades da Internet a bordo ainda estão muito longe das velocidades de banda larga terrestres, o que torna a negociação direta de ações impossível). Pode-se até transferir fundos online, sentado em sua cabine no meio do Oceano Atlântico. (Infelizmente, isso também significa que um marítimo agora recebe alertas por e-mail quando sua esposa passa o cartão no shopping. Aceitar o fato de que sua última noite sem dormir durante a descarga foi passada em uma Louis Vuitton pode ser bastante assustador.)

3. Serve como uma segunda/backup linha de comunicação com relação ao sistema de e-mail oficial do navio. A solução de problemas em tempo real pelos técnicos de TI também é possível. Nos dias anteriores, frequentemente se viam Comandantes manuseando o terminal Sat-C para enviar e receber mensagens importantes quando o sistema de E-mail estava inoperante. Isso é passado. Agora, ele simplesmente precisa fazer login na conta do Gmail ou do Yahoo e enviar ao pessoal de TI em terra para resolver o problema.

4. Clientes de bate-papo. A Internet a bordo permite que os marítimos mantenham contato com suas famílias por meio de clientes de bate-papo (Whatsapp, Yahoo, GTalk, MSN etc.) ou VOIP (Jumblo, Action VOIP, Skype). Uma grande vantagem dos clientes de bate-papo é que eles usam uma fração da largura de banda e dados em comparação com seus primos VOIP. Além do mais - eles até ajudam você a digitar bem.

5. Emergências em casa podem ser imediatamente comunicadas a bordo por e-mail, bate-papo etc. Quando alguém em casa não está bem, é muito reconfortante saber que sua condição melhorou, em vez de esperar até o final do dia para fazer uma chamada via satélite.

6. Acesso às mídias sociais (Facebook, Twitter). Com as mídias sociais cada vez mais se tornando parte integrante de nossas vidas, o acesso ocasional a essas mídias faz com que você se sinta menos isolado do mundo exterior.

7. Procurar oportunidades alternativas de emprego. Todo mundo tem ocasiões em que se sente desiludido com o empregador. A Internet oferece aos marítimos a oportunidade de interagir com pessoas que trabalham em diferentes empresas e saber se as condições são melhores ou piores por lá.

8. Consultar o vasto banco de dados de informações para aprimorar a solução de problemas a bordo. Isso pode ser tão simples quanto colocar uma pergunta em um grupo do Facebook ou fórum de insight marítimo ou referir-se diretamente a um fabricante de equipamentos.

9. Download de manuais digitais para máquinas a bordo para facilitar a funcionalidade de pesquisa. Por que navegar por manuais pesados ​​de cópia impressa quando uma simples função de pesquisa em um arquivo PDF pode salvar o dia.

10. Referência rápida a novos regulamentos em execução. Embora a maioria delas seja divulgada por circulares internas da empresa, mais informações podem ser obtidas facilmente visitando sites relevantes.

11. Benefícios para muitos. Viagens longas em alguns tipos de navios, como VLCCs, podem ser entediantes para muitos tripulantes. Pode haver ocasiões em que o navio possa apenas amarrar em SBMs (monoboias), não apresentando assim uma oportunidade para sair da costa. A Internet permite que as esposas a bordo matem o tédio e passem o tempo livre navegando (protegendo-as dessa infame fofoca da galera :).

12. Aplicações on-line: com a crescente digitalização, bancos e instituições acadêmicas estão avançando no processo de inscrição on-line para empréstimos, contas, admissões etc. A Internet a bordo agiliza esse processo para os marítimos que, caso contrário, teriam que esperar para chegar em casa. Muita barganha é economizada e as férias podem ser gastas para o que elas realmente significam - Relaxamento.

13. Os gerentes técnicos e operacionais em terra têm a flexibilidade de usar clientes de bate-papo, em vez de chamadas caras por satélite, para comunicação de rotina com o gerenciamento a bordo. Às vezes, é mais fácil colocar uma instrução ou reflexão no papel, em vez de comunicá-la por telefone a uma pessoa cujas habilidades linguísticas possam vir a ser um problema.

O lendário autor Mark Twain havia comentado certa vez: 'Muita coisa é ruim, mas pouco uísque é bom o suficiente.' Infelizmente, o uísque não é mais encontrado a bordo. Então, ficamos com algumas das coisas ruins da Internet. Aqui estão elas:

CONTRAS

1. Vida social a bordo - Com o navio 'secando' (política de álcool zero), a vida social a bordo já estava cansada. A Internet provou ser o último prego no caixão. Virtualmente, parou a vida social a bordo. Com o advento de laptops e telefones inteligentes, você raramente encontra pessoas amontoadas nas salas de fumaça que se entregam à boa e velha camaradagem. Longe vão os dias em que as discussões na mesa de jantar giravam em torno de qual filme seria exibido à noite. Hoje em dia, você mal encontra pessoas conversando nos refeitórios. Todas as conversas são reservadas online. Todo mundo só quer se apressar com o jantar e se conectar.

2. Argumentos / mal-entendidos: Escusado será dizer que o uso de dados da Internet no mar é caro e, portanto, limitado. Muitas vezes, o acesso a bordo deve ser controlado devido ao uso excessivo de dados. Isso gera rancores, mal-entendidos entre colegas.

3. Horário de Descanso: O acesso irrestrito e contínuo à Internet acarreta a necessidade inevitável de alguns de usar a instalação desnecessariamente e em horários inadequados. Muitas vezes, o Comandante ou o Oficial de Náutica precisam pedir à equipe de folga para parar de usar a Internet quando eles deveriam estar dormindo profundamente.

4. Vigilância do passadiço: Com o aumento da digitalização dos equipamentos do passadiço (por exemplo: ECDIS, Publicações Náuticas etc.), há uma necessidade crescente de permitir o acesso à Internet no passadiço para atualizações e downloads. O Comandante precisa deixar absolutamente claro em suas ordens permanentes e nas reuniões de disciplina que nada disso deve interferir na vigilância. O uso de smartphones ou laptops pessoais no passadiço, mesmo fora do horário de trabalho, não deve ser tolerado.

5. Conteúdo para adultos: Embora existam filtros embutidos no sistema, eles geralmente são ignorados por membros da tripulação entusiasmados para obter acesso a conteúdo questionável. Especialmente, acessar conteúdo explícito relacionado a crianças é uma ofensa grave e é punível por lei, com consequências de longo alcance.

6. Mídia social: A publicação de dados/fotos que podem ser prejudiciais à empresa e é moralmente errada. Com os reguladores assistindo à internet, uma brincadeira inofensiva sobre algo pode ser muito séria aos olhos dos grandes irmãos (reguladores).

7. Solução de problemas: Há uma tendência crescente para todos os pequenos problemas que surgem a bordo. As habilidades de resolução de problemas não estão sendo aprimoradas dessa maneira.

8. Distração: várias vezes você percebe os marítimos distraídos em seu trabalho devido a alguma comunicação que eles tiveram com a família. O foco completo é uma obrigação no trabalho para sua própria segurança ou para outras pessoas. A gerência deve frequentemente orientar o pessoal sobre esse assunto durante reuniões e treinamentos. Vidas pessoais e profissionais devem ser mantidas separadas o tempo todo.

9. Postagens ofensivas: Há também uma tendência crescente entre alguns marítimos de expressar sua frustração por meio de postagens ofensivas nas mídias sociais. Deve-se evitar o desejo de desacreditar seus superiores ou a empresa apenas por causa de uma repreensão ou demissão tardia.

10. Pirataria na Internet: A tentação de baixar o blockbuster mais recente em um cliente de torrent pode ser enorme. Em vários países, isso foi tornado ilegal com o downloader enfrentando uma ação judicial. Isso também gera muitos dados preciosos que não são do interesse de todos os que estão a bordo.

11. Dependência de mídia social: Fora do trabalho, pode haver muito pouco a bordo para manter sua mente ocupada. Com acesso constante, é muito fácil se viciar no Facebook e no Twitter, exatamente como em terra.

Claramente, os prós superam os contras. No entanto, com apenas um pouco de reflexão e as diretrizes apropriadas da Internet, os contras podem ser completamente eliminados. Cabe inteiramente à tripulação e à gerência a bordo garantir que esta grande invenção seja usada para o bem-estar e a melhoria.

Agora é com você...

Fonte: MarineInsight.com, October 9, 2019 - Escrito por Nihar Herwadkar